Você está usando um navegador antigo. Por favor, utilize versão suportada para ter acesso às melhores funções do MSN.

Principais notícias

Lewandowski rejeita pedido da Rede contra decisão de Toffoli sobre Coaf

Logotipo do(a) Estadão Estadão 09/08/2019 Luiz Vassallo/SÃO PAULO e Amanda Pupo/BRASÍLIA

O ministro do Supremo Tribunal Federal, Ricardo Lewandowski, negou seguimento a ação da Rede Sustentabilidade contra a decisão do presidente da Corte, Dias Toffoli, que suspendeu todos os inquéritos e ações judiciais que contenham dados do Conselho de Controle de Atividades Financeiras (Coaf)] sem autorização prévia da Justiça. Lewandowski disse que 'argumentos utilitaristas' não o 'impressionam', sinalizando posição sobre o tema.

O ministro afirma ser 'prematura antecipação de juízo'. No entanto, opina. "O pensamento binário concernente a falaciosa dicotomia entre a proteção de direito individual -que, de acordo com a peça exordial, edificaria benefícios às organizações criminosas - e o direito coletivo da sociedade, não subsiste a qualquer linha argumentativa no campo do Direito".

"Isso porque basta ao MPF ou a autoridade administrativa, em existindo fundadas dúvidas sobre a prática de ilícitos criminais, propugnar ao Poder Judiciário, no momento e no procedimento adequados, o compartilhamento de informações que envolvam recursos provenientes de qualquer prática criminosa", escreve.

Veja mais no MSN Brasil:
Eduardo: 'Serei o embaixador mais cobrado' (Estadão)
Gilmar: mensagens podem beneficiar Lula (VEJA.com)
Lava Jato pensou em minar Dodge com vazamentos (EL PAÍS)
Bolsonaro sugere 'cocô dia sim, dia não' pelo ambiente (Correio Braziliense)

"Os argumentos utilitaristas da parte autora - no sentido da necessidade de combater os ilícitos transnacionais por meio do compartilhamento das informações - não me impressionam, nem tampouco autorizam tornar letra morta os dispositivos constitucionais em testilha", afirma o ministro.

A decisão de Toffoli, tomada em julho, provocou forte reação de promotores e procuradores, segundo os quais, investigações contra corrupção e lavagem de dinheiro serão sufocadas.

A Rede entrou com Ação de Descumprimento de Preceito Fundamental. O ministro a julgou inviável. "Lembro, porque oportuno, que a ADPF constitui remédio fundamental de controle de constitucionalidade objetivo, destinado à preservação de um preceito fundamental da Carta de Direitos de 1988. Não se mostra, portanto, adequado utilizá-la para impugnar decisões monocráticas do STF".

Segundo o ministro, 'se isso fosse possível, surgiriam duas situações incompatíveis com o texto constitucional'. "Em primeiro lugar, ficaria transmudada a natureza da ação, de objetiva para subjetiva, com criação de nova figura recursal em violação ao princípio da legalidade".

"Segunda: estaria subvertido o pressuposto da colegialidade do Tribunal Constitucional, autorizando-se, por consequência, cada um dos seus integrantes, isoladamente, a reformar as decisões monocráticas dos seus pares", anota.

_____________________

Mais de Estadão

image beaconimage beaconimage beacon