Você está usando um navegador antigo. Por favor, utilize versão suportada para ter acesso às melhores funções do MSN.

Maioria do STF impede Bolsonaro de extinguir conselhos criados por lei

Logotipo do(a) VEJA.com VEJA.com 12/06/2019 Da Redação
Supremo Tribunal Federal retomada julgamento sobre privatizações - 05/06/2019 © Nelson Jr./SCO/STF Supremo Tribunal Federal retomada julgamento sobre privatizações - 05/06/2019

O plenário do Supremo Tribunal Federal (STF) formou maioria nesta quarta-feira, 12, para impedir, provisoriamente, que o presidente Jair Bolsonaro extingua conselhos da administração pública federal que tenham amparo em lei. É a primeira vez que o plenário da Corte analisou uma ação que contesta ato do atual presidente.

O julgamento ainda não foi concluído, e deve ser retomado nesta quinta-feira, 13.

Até o momento, cinco ministros votaram a favor de impedir o presidente de extinguir conselhos federais: Edson Fachin, Luís Roberto Barroso, Rosa Weber, Cármen Lúcia e Celso de Mello.

Outros quatro entendem que Bolsonaro não pode extinguir nenhum conselho, e não somente os criados por lei: Marco Aurélio, Alexandre de Moraes, Ricardo Lewandowski e Luiz Fux.

Ainda faltam os votos de Dias Toffoli e Gilmar Mendes.

A decisão que o STF vier a tomar é provisória. Isso porque o caso ainda terá que ser debatido novamente pelo plenário para que o mérito da ação seja analisado.

A ação julgada nesta quarta pelo Supremo foi apresentada pelo PT, que contestou dispositivos do decreto assinado em abril, nas comemorações dos primeiros cem dias de governo.

O ato presidencial determinava a extinção, a partir de 28 de junho, de conselhos, comissões, fóruns e outras denominações de colegiados da administração pública.

A maioria dos ministros do Supremo entendeu que o presidente da República não pode, por ato unilateral, como a edição de um decreto, por exemplo, extinguir conselhos da administração federal que tenham sido criados por lei e, portanto, aprovados no Congresso Nacional.

Os magistrados, porém, liberaram que o presidente elimine individualmente aqueles conselhos que tenham sido instituídos por decreto ou ato normativo inferior, como portarias e resoluções.

A Advocacia-Geral da União (AGU) afirma que existem, atualmente, 2,5 mil conselhos e colegiados similares em todo o país.

_______________________________________________________________________________________

Quer receber as principais notícias do MSN Brasil pelo Facebook Messenger?
Inscreva-se agora.

Mais de Veja.com

image beaconimage beaconimage beacon