Você está usando um navegador antigo. Por favor, utilize versão suportada para ter acesso às melhores funções do MSN.

'Queiroz cuida da vida dele, eu cuido da minha', diz Bolsonaro na China

Logotipo do(a) BBC News BBC News 24/10/2019
Jair Bolsonaro concede entrevista a jornalistas brasileiros ao chegar à China em visita oficial © BBC Jair Bolsonaro concede entrevista a jornalistas brasileiros ao chegar à China em visita oficial

O presidente Jair Bolsonaro disse nesta quinta-feira (24/10) em Pequim, após jantar com empresários brasileiros, que não ouviu o áudio que mostra o ex-assessor parlamentar do senador Flávio Bolsonaro discutindo cargos no Congresso em junho deste ano.

"Eu não sei dessa informação. Por favor, por favor. O (Fabrício) Queiroz cuida da vida dele, eu cuido da minha", disse o presidente a jonalistas.

"Por favor, a minha preocupação aqui para eu não acabar a entrevista com vocês é tratar das questões do interesse de todos os brasileiros", prosseguiu.

Mais tarde, questionado novamente sobre as falas do ex-assessor, divulgadas nesta quinta pelo jornal O Globo, Bolsonaro pergunta: "Ele falou que está negociando cargo, é isso?"

Em seguida complementa: "Eu não falo com o Queiroz desde que aconteceu esse problema", em referência às primeiras denúncias sobre as suspeitas de prática da rachadinha (quando assessores devolvem parcela de seu salário a políticos), no final de 2018.

Segundo áudio de WhatsApp datado de junho e divulgado pelo jornal O Globo, Queiroz continuaria negociando cargos no em gabinetes e comissões do Poder Legislativo federal.

"Tem mais de 500 cargos, cara, lá na Câmara e no Senado. Pode indicar para qualquer comissão ou, alguma coisa, sem vincular a eles (em referência à família Bolsonaro) em nada, em nada. 20 continho aí para gente caía bem pra c**, entendeu", diz Queiroz a um interlocutor, de acordo com o áudio divulgado.

"O gabinete do Flávio faz fila de deputados e senadores lá, pessoal pra conversar com ele. Faz fila. É só chegar, meu irmão: 'Nomeia fulano aí, para trabalhar contigo'. Salariozinho bom desse aí, cara, pra gente que é pai de família, cai como uma uva (sic)."

Queiroz foi assessor de Flávio Bolsonaro quando este era deputado estadual na Assembleia Legislativa do Rio e foi exonerado no ano passado. Ele é investigado desde que vieram à tona supostas movimentações atípicas de R$ 1,2 milhão em sua conta, segundo relatório do Coaf (Conselho de Controle de Atividades Financeiras).

Liberação de vistos a chineses

Repetindo o gesto de sua primeira visita oficial aos Estados Unidos, Bolsonaro anunciou nesta quinta-feira, na China, que vai isentar cidadãos chineses da necessidade de visto de viagens para o Brasil.

"Vamos o mais rápido possível, seguindo a legislação, isentar turistas chineses de visto", disse o presidente em conversa com jornalistas após um jantar com executivos brasileiros no hotel em que está hospedado, em Pequim.

Questionado se haverá reciprocidade à medida — ou seja, se os chineses também deverão liberar os brasileiros de vistos — Bolsonaro passou a palavra ao ministro das Relações Exteriores, Ernesto Araújo. "Responde aí."

"Não necessariamente", emendou o chanceler. "A questão é atrair o turismo chinês e ver quais as maneiras de fazer isso até lá."

A China tem uma população de 1,4 bilhão de pessoas. Para o governo brasileiro, o fim dos vistos será um estímulo para que parte da população do país mais populoso do mundo cruze o planeta para visitar o Brasil.

Hoje, o Brasil recebe em torno de apenas 60 mil chineses por ano.

A medida deverá valer para viagens a turismo e a negócios, como no modelo oferecido pelo Brasil a cidadãos dos Estados Unidos, Japão, Austrália e Canadá no inicio deste ano. Como deverá acontecer com a China, esses países não precisaram retribuir a medida.

O presidente também anunciou que "pretende fazer a mesma coisa com a Índia", sem dar mais detalhes.

Para ilustrar a importância da medida, Bolsonaro citou um encontro com o presidente de Cabo Verde, Jorge Carlos Fonseca.

"Lá, 25% da economia é turismo. Acho que o nosso Brasil pode chegar na média próximo disso", afirmou.


_____________________________

Vídeo: Polícia encontra 39 corpos em caminhão no Reino Unido (BBC News)

A SEGUIR
A SEGUIR

Mais de BBC Brasil

image beaconimage beaconimage beacon