Você está usando um navegador antigo. Por favor, utilize versão suportada para ter acesso às melhores funções do MSN.

Sem citar desemprego, Bolsonaro fala em liberdade econômica na TV

Logotipo do(a) VEJA.com VEJA.com 01/05/2019 André Siqueira
Em pronunciamento em cadeia nacional, Bolsonaro afirmou que as 'dificuldades iniciais são naturais nas transições de governos' © / Em pronunciamento em cadeia nacional, Bolsonaro afirmou que as 'dificuldades iniciais são naturais nas transições de governos'

O presidente Jair Bolsonaro afirmou, em pronunciamento feito em cadeia nacional de TV e rádio, nesta quarta-feira, 1º, Dia do Trabalho, que a Medida Provisória (MP) da liberdade econômica, assinada na terça-feira 30, tem a finalidade de “estabelecer, principalmente, garantias de livre mercado”.

Sem citar o desemprego, que, segundo o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), atinge 13,4 milhões de brasileiros, Bolsonaro destacou que a MP, formulada para diminuir a burocracias em empresas, restringe “o papel do Estado no controla e na fiscalização da atividade econômica”.

O presidente também reforçou pontos que considera essenciais no texto, que tem até 120 dias para ser aprovado pelo Congresso Nacional – caso contrário, as mudanças perdem valor. Segundo Bolsonaro, a MP tem o compromisso de incentivar o desenvolvimento da atividade econômica de baixo risco para o sustento própria de famílias, a produção e geração de renda e de não restringir a liberdade do empreendedor para definir o preço de produtos e de serviços.

Na opinião do pesselista, esta é a “única maneira de proporcionar, por mérito próprio, sem a interferência do Estado, o engrandecimento de cada cidadão”.

O presidente ressaltou, ainda, a necessidade da união para ultrapassar as “dificuldades iniciais”, que, em sua visão, “são naturais nas transições de governos, especialmente se as concepções políticas forem antagônicas”.

Durante a cerimônia de assinatura do texto, na terça-feira, Bolsonaro afirmou que a medida é um marco para a garantia de livre mercado. O secretário de Desburocratização, Gestão e Governo Digital, Paulo Uebel, disse que a MP cumpre uma promessa de campanha de Bolsonaro, que é tirar o Estado do “cangote” das pessoas.

“O objetivo é deixar que as pessoas possam trabalhar, empreender, gerar emprego e renda”, afirmou. De acordo com o secretário, a medida é uma declaração com dez direitos do pequeno empreendedor. Uebel afirmou que atividades de baixo risco não precisam passar “pela mão do Estado” com a assinatura da MP.

VEJA TAMBÉM:

Dia do Trabalho tenso na Venezuela(Via AFP)

A SEGUIR
A SEGUIR

Mais de Veja.com

image beaconimage beaconimage beacon