Está a utilizar uma versão de browser mais antiga. Utilize uma versão suportada para obter a melhor experiência possível com o MSN.

“Cheguei ao balneário, cheirava mal, começo a dizer ‘cheira mal’. Porquê? No WC, o filho da mãe do Cândido limpou-se à minha camisola”

Logótipo de Tribuna Tribuna 09/03/2019 Alexandra Simões de Abreu

Gaspar é um poço de histórias. Começou no clube da sua terra, o Trofense, passou pelo V. Setúbal, o FC Porto, Alverca, Gil Vicente, Belenenses e Rio Ave, entre outros, e ainda esteve uma época em França. Pai de gémeos, recorda as partidas recíprocas com o "maninho" Cândido Costa, lembra a vez em que adormeceu no meio de uma palestra e o dia em que pôs um colega, em cuecas, à procura da roupa que ele tinha pendurado nas redes da baliza. Conta como Jorge Jesus era picuinhas, ao mesmo tempo que lamenta não o ter conhecido mais cedo. O central de 1,90m que entretanto se dedicou à metalomecânica de precisão, confessa ainda que o bichinho do futebol não o deixa em paz

Tribuna © D.R. Tribuna

É de Santo Tirso e tem um irmão mais novo três anos. E os seus pais, o que faziam quando nasceu?

O meu pai era supervisor nos correios e a minha mãe era chefe de corte numa confeção. Até aos 10 anos vivi num apartamento no centro da Trofa, e depois fui para Valdeirigo, um lugar que fica no alto a 3 quilómetros do centro, onde está toda a minha família da parte da minha mãe. O meu pai é de Marco de Canaveses. Tenho muitos tios, 10 da parte da minha mãe e 8 da parte do meu pai. Primos que já perdi a conta (risos).

Começou a jogar à bola naturalmente na rua.

Sim, nem me lembro sequer como começou. Do que me lembro e das fotografias que tenho, elas falam por mim; devia ter os meus 4, 5 anos e já andava a jogar à bola. Mas claro que, como qualquer outra criança, primeiro dizia que queria ser bombeiro, polícia e médico.

Gostava da escola?

Sempre gostei da escola, mas era para a brincadeira. Falar da escola para estar fechado durante não sei quantas horas... As crianças no fundo vão trabalhar, não deixa de ser trabalho. Entram às 8 da manhã e saem de lá às 5 da tarde, por isso é um trabalho como os outros.

Era muito traquina?

Sim, tive os meus castigos. Um ou outro ainda conseguia ser pior do que eu, mas eu estava no pódio (risos).

Que tipo de castigos sofria?

Naquela altura eram reguadas na mão. Isto na escola primária. Depois no ciclo, eu por acaso fui sempre certinho nessa matéria (risos), era outras coisas.

Os seus pais também o castigavam?

O meu pai, a grande maioria das coisas, não sabia. A assinatura do meu pai era muito difícil de falsificar, mas a da minha mãe, não (risos). Por isso, os recados, quando vinham, só se fossem daqueles em que tinha mesmo de ir à escola é que sabia. Mas isso acontecia raramente e conseguia sempre dar a volta.

Quando era pequeno torcia por que clube?

Na década de 70, a gente era pela equipa que ganhava e na altura era o Benfica. Pode dizer-se que era benfiquista. Ainda não tinha acordado para a vida. (risos).

Gaspar (em baixo à esquerda), com os pais e irmão © D.R. Gaspar (em baixo à esquerda), com os pais e irmão

Como começa o futebol mais a sério no Trofense?

Muito simples. A rua é uma grande escola e quando se dorme com uma bola de futebol com eu dormia... Mesmo quando perdia a bola arranjava sempre forma de jogar nem que fosse com uma carica. Entrei no ciclo e, no final do ano, fazíamos várias competições entre turmas e, na altura, o meu professor de educação física, prof. Cardoso, pai do ex-treinador do Celta de Vigo, Miguel Cardoso, gostou do que viu e foi buscar-me a casa para levar-me ao Trofense que tinha aberto captações para arrancar com o futebol de sete.

Qual foi a reação dos pais?

Eles já sabiam. O meu pai foi jogador no Marco de Canaveses, um amador à antiga, fazia o gosto ao pé; por ter estudado em Coimbra era da Académica e também tinha o seu fraquito pelo Benfica. A minha mãe era Trofense de gema, mas uma portista ferrenha, doente. Os meus pais nunca foram de se meter. Nunca se meteram muito. O meu pai acompanhou-me até ser sénior, via todos os treinos, todos os jogos, inclusivé filmava. Ainda tenho vários jogos gravados em que tenho 10, 12 anos e por aí fora.

Faz a sua formação toda no Trofense.

Cheguei lá, estavam a fazer a chamada para fazer equipas e precisavam de um defesa esquerdo. Os miúdos à minha frente iam dizendo: sou defesa, sou médio, sou avançado, avançado. E evidentemente que quando chegou a vez do Gaspar, o Gaspar disse logo que era defesa esquerdo.

E era?

Claro que não (risos). Eu queria era ir lá para dentro, se dissessem que precisavam de um guarda redes, eu dizia que era guarda redes. Eu gostava de jogar cá atrás para pegar na bola, ir fintando por ali fora e marcar golo. Era daqueles miúdos em que, estávamos a ganhar 10-0 e acabava comigo a ir para a outra equipa para tentar equilibrar as coisas.

Como foi a integração numa equipa, num clube, uma vez que estava habituado ao futebol de rua?

Claro que aquilo com chuteiras e aquelas coisas todas era demasiado para mim, tinha aquele receio de falhar. Às vezes, para fazer o passe com mais força, até lhe dava com o bico da bota. Mas foram formadas três equipas de futebol 7 e eu tive a felicidade de pertencer à equipa mais forte. Defesa central foi a minha primeira posição. Mas só dei o meu salto de corpo e de altura aos 17 anos. Até aí era um pisco, era dos mais baixinhos da equipa. Jogava a líbero, depois passei para defesa esquerdo já nos iniciados, médio centro no 2.º ano de iniciados, nos juvenis, com 16 anos, voltei a líbero e mais tarde deixou de haver líbero e passou a haver dois defesas centrais, ambos de marcação, já eu tinha 17, 18 anos.

Dos tempos da formação houve algum treinador que o tenha marcado mais?

Todos marcaram porque todos são diferentes e todos ensinaram coisas para o futebol. Um era mais resmungão e competitivo e punha o chamado nervo no campo – era o sr. Wilson. O outro focava-se mais na união, na entreajuda e no companheirismo, era o sr. Silva ou até mesmo o sr. Alfredo. O sr. Albertino, numa fase mais avançada, praticamente ensinou-me a passar corretamente a bola e a sair com a bola controlada, a jogar.

Histórias desses tempos?

Nas camadas jovens tenho várias. Lembro-me de duas. Uma é que fazia parte do nosso treino de aquecimento acartar areia e tijolos para a sede do clube. A sede do Trofense foi feita com a nossa ajuda porque tínhamos de acartar aquilo tudo para o 1.º e 2.º andar (risos). Outra engraçada é que nós não tínhamos sítio para treinar; treinávamos no centro da cidade, praticamente sem luz, muitas vezes num lamaçal autêntico, com a bola a ir para a linha de comboio. E quantos treinos não fazíamos em que bola, era só vê-la, porque não tínhamos onde treinar, e treinávamos na rua?

Gaspar com o irmão © D.R. Gaspar com o irmão

Quando é que se estreia como sénior?

No Trofense, ia fazer 18 anos se não me engano. Na altura havia o campeonato das reservas; sempre que era preciso íamos fazer a perninha aos seniores. Lembro-me que a minha equipa dos juvenis foi jogar pelos seniores e fomos a única equipa que marcou golo ao FCP, no estádio das Antas. Perdemos por 22-1, é verdade, mas aos 30 minutos ainda estava 0-0. Ou seja, a partir da meia hora começou a faltar-nos a força, não estávamos habituados a jogar em relva natural, só em pelado. Aguentámos 30 minutos, mas com 16 anos a jogar contra os campeões do mundo de Riade, alguns deles, o Toni, o avançado, o Jorge Couto, o Jorge Andrade, lembro-me desses. O Octávio Machado era o treinador do FCP, resmungou até aos 30 minutos; até nessa altura conseguíamos ouvir o Octávio a berrar. Mas fomos a única equipa que conseguiu marcar um golo ao FCP.

Esteve 2 anos como sénior no Trofense.

A estreia no Trofense foi natural. Fomos 5 ou 6 dessa fornada a subir aos seniores. Mas tive sorte, porque estava a treinar e a estudar à noite e fui dispensado para o Bougadense, na altura na II divisão distrital; ou seja, o Bougadense se descesse não descia porque já não havia mais para descer. Eu era para ser emprestado a essa equipa, só que pedi para continuar a treinar no Trofense, por causa da escola, enquanto não se fazia a transição. Havia aquela burocracia da transição. Os diretores acederam e apanhei dois jogos durante essa transição. Claro que não joguei, nem era convocado, só que perdemos esses dois jogos e o treinador foi despedido. Veio o Nicolau Vaqueiro que disse querer ver todos os jogadores, sem exceção. Como a transição ainda não estava consumada, fui aos treinos. Fiz dois treinos, ao terceiro ele veio ter comigo para me dizer que não ia ser dispensado. No primeiro jogo fui logo convocado e fiquei titular. Foram duas épocas sempre a titular pelo Trofense.

Lembra-se do valor do primeiro ordenado?

50 contos (250€).

O que fez a esse dinheiro?

Não me lembro. Dei aos meus pais grande parte senão todo. Só no segundo ano é que comprei o meu carrinho, e o dinheiro era quase todo para o carro. Um Suzuki Swift 1.3 GTi, vermelho. Que máquina! (risos). Esse carro ainda durou muitos anos.

Como foi a ida para o Tirsense a seguir?

Nas duas épocas, no arranque da temporada sentia muitas dificuldades, porque mesmo que quisesse fazer sozinho uma preparação para a pré-época, sentia dificuldades porque não havia as academias e os ginásios que agora há aos pontapés. Naquele tempo era muito difícil, havia 1 ou 2 mas para a minha carteira nem pouco mais ou menos. O que pensei? Vou tentar ir para o Tirsense, para o ginásio, pensando eu que um clube da I divisão na altura, com outra dimensão, teria todos os equipamentos e todas as condições para os jogadores. Falei com o meu padrinho, jesuíta de gema, ele falou com uma pessoa lá do clube e apareci de toalha, só (risos), para ir para o ginásio. Qual não foi a minha surpresa, eles não tinham aquele ginásio fabuloso que eu imaginava, não tinham praticamente nada. Mas disseram-me que iria treinar com os seniores. Ou seja, eu estava na III divisão nacional e ia treinar com os seniores de um clube da I divisão. Estava nas nuvens.

Aguentou-se?

O Caetano, que era o capitão, apresentou-me ao José Romão, o treinador, Eu já era alto, tinha 1,90m, já mostrava respeito, tinha 19 anos ainda por cima, claro que me deixou treinar. Gostaram daquilo que viram. No final do 1º treino disseram-me logo para voltar no dia seguinte de manhã. No terceiro treino disseram-me que ia para estágio. Imagine a minha alegria. Foi uma festa aqui em casa. Ir para estágio? Espetáculo, eu sabia lá o que era isso.

Correu bem o estágio?

(risos) Escusado será dizer que o primeiro dia foi espectacular, aqueles três treinos por dia, levantar cedíssimo, correr até cair para o lado. O segundo dia foi fixe também. Ao terceiro dia, fiz o primeiro treino e à hora do almoço já fui praticamente a chorar ter com treinador para saber se os meus pais podiam ir ter comigo que já estava com saudades (risos).

Onde foi o estágio?

Foi ali na zona do Mondego, num sítio isolado. Só que eu já estava farto de correr e de treinar (risos).

Deixaram os seus pais visitá-lo?

No 4.º ou 5.º dia de estágio íamos ter um jogo-treino contra o Felgueiras e o José Romão disse que não havia problema eles irem. Combinei com eles. Viram o jogo-treino. Joguei. A seguir o José Romão e um diretor vieram ter comigo para me dizerem que ia ficar no plantel, para começar a tratar das minha coisas. Já tinha acontecido uma coisa semelhante com o Trofense, no último ano de júnior, em que fui treinar para o Rio Ave, porque foi-me pedido para jogar no nacional de juniores pelo Rio Ave.

Não ficou no Rio Ave porquê?

Havia contrapartidas e não me deixaram. Com o Tirsense as negociações ainda levaram bastante tempo mas consegui. Embora só tenha ficado disponível à 3.ª jornada, imagine-se o tempo que se arrastou.

A festa do 6º aniversário de Gaspar © D.R. A festa do 6º aniversário de Gaspar

Como surge depois o Vitória de Setúbal?

Eu assinei 4 anos pelo Tirsense, não me perguntem como é que aconteceu ou como foi possível eu sair ao fim de um ano. Sei que o meu empresário, a pessoa que tomava conta das minhas coisas, era o presidente do Tirsense. E também sei que numa noite, às três e tal da manhã, estava eu em casa dele a assinar contratos com reconhecimento de assinaturas, não me perguntem como é que é possível, e no dia seguinte estava preparado para ir para Setúbal porque já não tinha 4 anos de contrato com o Tirsense, mas apenas 1 (risos). Lá fui para Setúbal. Sem antes dizer uma coisa engraçada.

Força.

Até me chamaram maluco (o que não é preciso porque sei que sou). É que nessa altura deram-me a escolher entre o Vitória de Guimarães que me dava três anos de contrato, o Farense que me dava quatro anos de contrato e mais algum por mês do que o Vitória de Guimarães e o Vitória de Setúbal, que me dava apenas um ano de contrato, ou seja, 10 meses, e menos de metade do que iria ganhar nos outros dois clubes.

Então porque é que escolhe o Vitória de Setúbal?

Por uma razão muito simples: 1 ano de contrato.

Estava muito confiante nas suas capacidades.

Foi o meu investimento. Eu sabia aquilo que valia. Preferi ir para o Vitória de Setúbal, arriscando ter uma lesão ou até mesmo não jogar, mas arrisquei sabendo que no final desse ano estava livre. E aí poderia pedir, se calhar, o dobro do que me dava o V. Guimarães naquela altura. Fosse na renovação com o V. Setúbal, ou noutro clube qualquer. Ou seja, o Tirsense foi a minha montra, no segundo ano já não era para me mostrar mas para dizer: “Eu já valho alguma coisa”.

Tinha algum clube onde quisesse muito jogar?

Não. Nunca tive. O meu objetivo único no futebol, era a seleção nacional e o Trofense. Não era jogar no Trofense, era pertencer ao plantel do Trofense. Quando vesti a camisola para jogar no Trofense, ainda por cima a titular, foi a realização do sonho. Tudo o que viria depois eram cerejas porque o bolo já estava feito. Sei que quando vou para Setúbal, o treinador que me quis foi o Mário Reis, e houve um episódio muito engraçado. Uma lição de vida, porque são poucos os homens e treinadores que fazem o que ele fez - estamos a falar de trabalho. Nós tínhamos 1 ou 2 meses em atraso e ele disse que não podia continuar enquanto não pagassem aos jogadores. A direção não o levou a sério e ele cumpriu. Ele já estava com mais meses de ordenados em atraso até, fez um ultimato, se não pagassem aos jogadores ele não continuava e assim fez.

A seguir veio quem?

Na transição veio Félix Mourinho, pai do José Mourinho, e depois mais tarde o Manuel Fernandes.

Foi a primeira vez que saiu de casa. Foi viver para onde?

Antes convém falar um bocadinho da pessoa. Eu nunca tive problemas em arriscar. Basta ver pelo meu histórico. Gosto de viajar, sempre gostei. Não sou pessoa de ficar na minha zona de conforto, sou pessoa de desafios. E para mim o desafio não é só pensar fora da caixa é também sair dela. Aeroportos não metem confusão, até adoro; estações de comboio, também, adoro ver a azáfama das pessoas de um lado para o outro, andar com a casa às costas nunca me fez grande confusão, embora na altura dava muito trabalho. Hoje já não porque são anos e anos e anos nesta vida. Das 10 malas passou a meia mala (risos). Mas lembro-me que, quando fui para Setúbal, o clube arranjou-me uma casa para alugar perto do estádio. Fui sozinho.

Como se safava com as coisas da casa e a comida?

Entre mandar fazer ou fazer eu prefiro fazer. Por vários motivos. Primeiro, porque dou mais valor a uma coisa que é feita por mim. Mandar fazer... só quando não sei ou por falta de tempo. Sempre me desenrasquei, ainda hoje que estou sozinho com os meus filhos, sou eu que faço tudo e não me salta nenhuma peça fora. Por isso, naquela altura, eu fazia comida. Claro que também ia aos restaurantes, mas sabia fazer. Com 10 anos, a minha mãe deixava tudo preparado, tudo cortado e eu fazia o almoço para mim, para o meu irmão e para a minha mãe. Misturar as coisas, colocar o sal e cozinhar, sabia fazer. Em Setúbal, se me dava a saudade de um prato qualquer, telefonava à minha mãe e perguntava como é que se fazia.

Gaspar (à esquerda) com a mãe e o irmão © D.R. Gaspar (à esquerda) com a mãe e o irmão

Nessa altura já namorava?

Já. Namorava desde os 16 anos com a Lídia, a mãe dos meus filhos, mas era um namoro à moda antiga (risos). Se fosse um namoro moderno já estava lá a viver comigo, mas naquela altura não era assim (risos).

Com correu a época desportiva?

Começou lindamente, logo a titular, a fazer grandes jogos. Chega novembro e tenho uma oferta de quatro anos de contrato do Benfica. O Toni, na altura secretário técnico, liga-me, vou a Lisboa reunir com ele; o treinador era o Paulo Autuori. Eles queriam-me se possível para dezembro, se não desse, então no final da época. Acabámos por assinar um pré-contrato que ainda o guardo religiosamente. Na altura quem me ajudou... Não foi quem me ajudou, vamos ser corretos, foi para dar as comissões a toda a gente, quem entrou no processo foi o José Veiga. Era preciso também ter um representante. Só que o Paulo Autuori é despedido e foi o Manuel José para o Benfica, que contratou o central Bermúdez, e eu fiquei logo chateado. "Já não vou para o Benfica. O que é que vou fazer para lá se foram buscar o Bermúdez? Não vou". Já estava com o nariz torcido porque entretanto apareceu o Rayo Vallecano, que me dava 8 anos de contrato.

O que fez?

Pensei: vamos deixar rolar as coisas. Passou dezembro, chegou janeiro, e o Mário Reis diz que foi sondado em relação a mim por elementos do FCP. Fiquei logo com a pulga atrás da orelha. Comecei a tratar das coisas. Fui ter uma reunião com o Veiga e disse-lhe que a nossa ligação fez sentido quando foi do Benfica, mas que agora não porque eu tinha as coisas adiantadas para o Rayo Vallecano, se as coisas não dessem com o FCP. Mas não demorou duas semanas, porque o FCP nessa matéria não brinca. Quando fui com o meu irmão dizer ao Veiga pela segunda vez que tinha acabado mesmo, que ia tratar da minha vida, ele diz-me: "Pronto Gaspar, vai lá à tua vida. Eu por acaso tinha aqui isto para ti. Se não foi hoje, foi ontem que recebi, mas paciência". Eu, claro, curioso, perguntei: "Mas é o quê?". Ele roda a folha, eu não li nada, só vi o símbolo do FCP e disse: "Onde é que eu tenho de assinar?" (risos).

Ou seja, o Veiga pôs-se em campo relativamente ao FCP.

Pois. Depois assinei com o FCP e aconteceram ainda nessa época algumas peripécias menos boas, desde falsificarem-me a assinatura, porque eu estava livre de contrato e poderia assinar por quem quisesse. Evidentemente o V. Setúbal estava a fazer tudo e mais alguma coisa para eu assinar porque já tinha um negócio para mim, para o Leeds United, de Inglaterra, se não estou em erro. O que é certo é que mal veio a público isso, recebi um telefonema do presidente Pinto da Costa e ele só me disse que percebia tudo o que se estava a passar, para eu fazer as malas que no dia seguinte começava a treinar com o FCP. Assim fiz: preparei as coisas para vir para cima, só que quando dei a notícia desta situação toda, o presidente do Vitória de Setúbal recuou, não sei porquê.

Recuou como?

Eu nessa semana estava castigado, não podia entrar nas instalações do clube. Estava castigado porque supostamente fui apanhado de madrugada num bar qualquer da cidade, coisa que era mentira. Não treinei a semana toda. E depois de lhe dizer o que tinha acontecido e que ia para o FCP, no dia seguinte, sábado de manhã, o presidente do V. Setúbal reuniu com a equipa toda e disse que eu estava integrado na equipa e que inclusivamente podia ser convocado. Fiz esse treino de sábado de manhã, fui convocado e joguei a titular. E fiquei até ao final da época, acabei por não sair mais cedo (risos).

Diz que não foi apanhado essa vez na noite, mas não posso deixar de perguntar se gostava de sair e se saía muito à noite.

Sei sempre os meus limites. Aliás, é impossível sair muito e acabar a carreira quase aos 39 anos como eu acabei. Tive as minhas saídas como toda a gente tem, os meus abusos como toda a gente, mas não era sempre. Nunca tive problemas. Também tive pessoas que sabem estar.

O que quer dizer com isso?

Vamos supor que sou treinador. Eu, como treinador, não quero saber da vida dos meus jogadores fora do retângulo; eles podem beber e fazer o que quiserem, o que me importa é dentro do treino e do jogo. Se eles treinam bem, se jogam bem, e vêm dizer-me que chegaram a casa de madrugada e que estavam bêbados, ótimo! Se treinam bem, se jogam bem, se ganhamos, deixo-os continuar a sair e a beber à vontade. Agora, se o sair e os abusos têm influência no treino e no jogo, isso aí já é outra história. Eu conheci vários jogadores que não rendiam tão bem se não saíssem no dia de folga, ou numa quarta-feira, como outros jogadores que se o estágio fosse mais do que um dia já não rendiam tão bem, porque não gostavam de estar tanto tempo "presos". Há de tudo. Nunca tive problemas. Posso dizer que, se falhei dois treinos na minha carreira por não estar em condições de treinar, foi muito.

A equipa do Trofense. Gaspar é o 3º jogador em pé à esquerda © D.R. A equipa do Trofense. Gaspar é o 3º jogador em pé à esquerda

Foi chamado a 1.ª vez à seleção nacional quando?

Estava em Setúbal, fui chamado a 8 do 11 de 1996 para a seleção de sub-21. Contra a Ucrânia, era Jesualdo Ferreira o selecionador.

Qual foi a sensação?

Um arrepio quando se houve o hino com aquela camisola, a lágrima no olho... Acima disso só mesmo a seleção A. Era a seleção de sub-21 do Nuno Gomes, Beto, Quim, Tiago, Bruno Caires, Edgar, Agostinho, Dani. Foi uma experiência pessoal e profissional muito boa.

Assinou pelo FCP por quanto tempo?

Quatro anos. Nos seniores só estive 1 ano, fui campeão e ganhei a Taça de Portugal, os outros três anos estive emprestado. A única vez que me deixaram treinar no FCP foi a época em que fiquei, depois nunca mais, não tinha hipótese de ficar, mas o que é certo é que era o FCP que queria renovar comigo (risos).

Mas não fica no FCP na 2.ª época de contrato porquê?

Veio outro treinador, já não era o António Oliveira. Veio o Fernando Santos e já não faço pré-época com os seniores, sou emprestado. Não sei se era para rodar mais, se era para ser como uma espécie de moeda de troca com outros jogadores, se não fazia parte das ideias do treinador, o que é certo é que fui emprestado esses três anos, mas sempre com o FCP a querer renovar.

Já não foi viver para o Porto sozinho.

Não, porque antes ainda do José Veiga me apresentar o contrato do FCP, já eu tinha decidido que ia para Madrid, para o Rayo Vallecano, e por isso tinha de decidir as coisas com a minha namorada. Pedi-a em casamento. Marcámos as coisas todas para casar no final dessa época, para irmos os dois para Madrid, só que apareceu o FCP. Por isso quando fui para o Porto, já fui casado. Aliás o dia do meu casamento, foi o primeiro dia em que pude falar “à boca cheia” como se costuma dizer, e anunciei a toda a gente que ia para o Futebol Clube do Porto (risos).

Foi praxado no FCP?

Havia a praxe normal. Na altura fui praxado eu, o Capucho e o Neves, ao mesmo tempo. Na entrada antiga para os balneários, havia umas escadas e um terraço em cima. E nós íamos a entrar para esse espaço onde havia dois grandes sofás e toda a gente se sentava no chão e deixava aqueles sofás para quem se quisesse sentar. Nós, claro, vimos aqueles sofás maravilhosos e sentámo-nos refestelados nos sofás. Levamos uma banho com não sei o quê do Paulinho Santos que estava em cima com um balde. Um balde não, aquilo era mais um bidão com água e não só.

Como é que foi lidar de perto com aquelas figuras como o Jorge Costa, o Sérgio Conceição, Rui Barros e por aí fora?

Correu bem. Aliás sou grande amigo do Sérgio, nunca tive problemas de balneário, muito pelo contrário. Nunca tive problemas, o que me custou mais foi ir 28 dias para estágio. Mal cheguei da lua-de-mel fomos para estágio para a Alemanha e para a Suécia. Foram 28 dias fora de casa. Já era a sério, as coisas já eram a sério, não eram a brincar.

No estágio faziam muitas partidas uns aos outros?

No estágio não podíamos abusar muito. Que me lembre era mais jogar às cartas para nos entreter. Os treinos eram tão puxados... Era uma realidade nova para mim, então aproveitava todos os minutos e todos os segundos para descansar, para repousar, para estar comigo mesmo, para no dia seguinte estar preparado.

Gaspar no Alverca © D.R. Gaspar no Alverca

Da época que fez no FCP o que mais o marcou?

O ter sido campeão, entrar nos Aliados e ver aquilo completamente cheio. Marca o ter jogado a Liga dos Campeões, jogar no Santiago de Bernabéu com 90 mil pessoas. Isso marca qualquer jogador. Mesmo a Taça de Portugal, contra o Maia, marcar dois golos, quando quase éramos eliminados… Imagine-se O FCP ser eliminado por uma equipa da 2.ª Divisão B, se não estou em erro. Conseguimos passar a eliminatória por 5-4, e no final do jogo o Pinto da Costa vira-se para mim e disse-me: “já parecias o Jardel” (risos). Isso são coisas mesmo deliciosas. Lembro-me também quando ganhámos no Boavista por 4 -3, os jornalistas perguntam-me e agora como é que vai ser, como é isto, como é aquilo, sobre o lance, polémicas e não sei que mais, já não me recordo o que era, e a minha resposta foi: “O que me preocupa agora é o meu bacalhauzinho e as minhas batatinhas” (risos). Foi na altura do natal. Ainda hoje, sempre que vou lá eles falam disso: “Então as tuas batatinhas!” (risos). São essas coisas que ficam.

Quais foram as maiores amizades que fez no FCP?

O Sérgio Conceição era aquele com quem me dava melhor. O próprio Neves e, claro está, o Costa, o médio, que foi meu colega de quarto durante quase 28 dias.

Como foi o embate com o “bicho” (Jorge Costa)?

Era o “capitão”, se fosse preciso acordar a tropa, ele lá estava, era o primeiro a dar um berro. Infelizmente, ele teve na altura uma lesão gravíssima no joelho, mas também me ajudou bastante, ele e o Aloísio, que era um senhor, ensinaram-me bastante naquela posição de defesa central. Claro que no final dos treinos tínhamos a nossa chamuçazita e a nossa bebida, o nosso Guaraná, à nossa espera, à socapa (risos). Mas o balneário e a amizade faziam-se por aí. Faz crescer os tais elos. Foi um clube que me acolheu de braços abertos. Nasci numa época e numa zona em que era Benfica, Benfica, Benfica e a gente acaba sempre por ser pelo clube que ganha, mas quando mudamos, mudamos sempre para melhor. E foi o que fiz, mudei para melhor. Tornei-me portista.

O que o fez mudar?

Passar pelo Porto muda qualquer pessoa e não fazia muito sentido eu ser jogador do FCP e ser benfiquista. Vou contar outra. Quando era jogador do Tirsense e do Vitória de Setúbal, mas principalmente do Tirsense, lembro-me que fui tão roubado, mas tão roubado contra o Benfica que disse “benfiquista não vou ser mais”. No meu caso, eu perdia contra o Benfica, mas ficava chateado porque perdia dinheiro. Era prejudicado monetariamente, porque deixava de ganhar prémio de jogo, por exemplo, e profissionalmente.

Com que opinião ficou do treinador António Oliveira?

Adorei. Ele tinha a mística do FCP. Via-se como encarava aquilo, sabia motivar os jogadores e como jogador ele era fabuloso, quando fosse para marcar aquele livre à entrada da área, ele pegava na bola e não havia um guarda-redes que defendesse. Também tinha um pé esquerdo…

Gaspar está com 43 anos © D.R. Gaspar está com 43 anos

No final da época é emprestado ao Leça.

Acordámos ir para o Leça e foram outros jogadores também. Fui de férias e quando cheguei estava na 2ª Divisão (risos), porque o Leça tinha descido na secretaria.

Foi um grande choque?

Disse logo que nem pensar. Tinha uma grande amizade com o Paulo Sérgio, o ex-treinador do Sporting, e pedi-lhe conselho. Perguntei-lhe o que achava, se comungava da minha opinião e realmente não fazia muito sentido. O Tirsense tinha sido a minha montra, o Vitória de Setúbal foi a minha afirmação e o FCP a minha concretização, que queria manter. Queria evoluir para voltar ao FCP e o Leça numa 2.ª Divisão... era tudo menos isso. Na altura, o Marítimo e já não me recordo qual era o outro clube, estavam interessados que eu fosse para lá. Falei com o FCP, mas disseram que não, que ninguém sairia de lá e acabei por ficar essa época no Leça. Não posso dizer que foi mau de todo… .

Mas estava contrariado.

Não era contrariado, mas veio dar-me razão. Na 2.ª Divisão não havia tanta visibilidade como hoje. Antigamente, não havia tantos jogos na televisão, por exemplo; não se falava tanto das equipas como hoje se fala. Felizmente não fui muito prejudicado.

A seguir fui para o Alverca, não é?

Sim, fui para o Alverca emprestado e também para o Paços de Ferreira. São esses três anos, Leça, Alverca e Paços de Ferreira. São três anos que fui emprestado e que me correram maravilhosamente bem. No Alverca apanhei outra vez o José Romão, que já me conhecia e por isso foi espectacular. Foi o primeiro ano que ele me encostou à esquerda. Funcionava-mos praticamente com três centrais, com três defesas e dava-nos mais liberdade. Aquilo que mais tarde usou também o Jorge Jesus no Belenenses, em que eu era um falso defesa direito, ficava por dentro, ficávamos com três centrais e dávamos muita liberdade ao nosso defesa esquerdo para subir. No Alverca era ao contrário, a liberdade era dada ao defesa direito.

A sua mulher foi consigo?

Sim, nesses tempos ela acompanhou-me sempre.

É supersticioso?

Por acaso sobre essa coisa das superstições costumo dizer que não sou brasileiro, nunca fui. Sou mais de manias, aquela coisa de entrar com o pé direito e dar o saltito, mas não era superstição porque uma vez ou outra lá me esquecia de fazer isso e não era por causa disso que deixava de fazer bom jogo ou mau jogo.

Gaspar jogou no FC Porto na época 1997/98 © D.R. Gaspar jogou no FC Porto na época 1997/98

Depois do Paços de Ferreira volta ao Alverca porquê?

No final da época no Paços, o José Mota veio falar comigo. Mostrou-me a lista e o meu nome “Gaspar” estava em primeiro lugar para ficar. Aí deixaria de pertencer aos quadros do FCP, embora estivesse a ponderar em renovar outra vez com o FCP. Eles davam-me mais 2 ou 3 anos de contrato. Se era emprestado ou não, isso aí já era outra história. Mas acabei por não ficar no Paços de Ferreira. Lá está, o primeiro ano correu-me tão bem que preferi voltar outra vez a Alverca e assinei um contrato válido por 3 anos. Mas a época não me correu lá muito bem. Tive uma lesão pelo meio e depois o falecimento da minha mãe. Felizmente, a única coisa boa, foi mesmo o nascimento dos meus filhos, o Bernardo e o Miguel Azevedo.

Que são gémeos.

Sim.

Nascem em Lisboa?

Não, a mãe deles vem para cima e eles nascem em Famalicão. Foi esquisito porque a minha mãe entra no IPO do Porto com problemas de saúde gravíssimos, já ligada à máquina. Passado uma semana os meus filhos nascem e na outra a seguir a minha mãe morre. Por isso, foi uma época assim meio esquisita. Eu ainda por cima lesionado no joelho. A única coisa positiva foi mesmo o nascimento dos meus filhos, tanto que no final dessa época a primeira coisa que faço é reunir-me com as pessoas do Alverca, para rescindir contrato. Queria vir para o norte.

Porquê?

Tinha que falar com os meus botões, tinha que vir para o ar que gosto de respirar, tinha que vir para a humidade porque precisava de fazer um reboot a tudo e mais alguma coisa. Fiquei muito abalado com o falecimento da minha mãe.

Os filhos de Gaspar © D.R. Os filhos de Gaspar

Como é que surge o Gil Vicente?

Ligaram-me a dizer que havia uma equipa do norte, nem pensei duas vezes, nem quis saber quem era, era do norte e da 1.ª Divisão, disse logo que sim.

Foi viver para Barcelos?

Não, para a Trofa, continuei a viver na minha casa.

E que tal o Vítor Oliveira como treinador?

Gostei dele, só jogava a titular, fiz os jogos todos, relancei a minha carreira outra vez. Só tenho a dizer bem. Correu-me tão bem que quando chega dezembro o Vitória de Guimarães queria contratar-me. Tive alguns problemas com a direção do Gil, disseram que não sairia por dinheiro nenhum. Eu iria ganhar mais do dobro do que ganhava no Gil Vicente. Eles renovaram contrato por mais dois anos, ou seja, fiquei com um contrato de 5 anos e deram-me mais 100 euros por mês (risos). Está bem, fica para as ajudas de custo, para a viagem.

Quando disse que voltou à Trofa, à sua casa, está a falar da casa dos seus pais?

Não, tinha comprado um apartamento no centro, bem perto de onde morei na minha infância e foi para ali que fui viver.

A segunda época no Gil Vicente também lhe corre bem?

Sim. No segundo ano arranquei também como titular e a época corre maravilhosamente bem, também com muitos golos à mistura e no terceiro ano apareceu o AC Ajaccio de França, da 1ª divisão francesa.

Apareceu, como? Tinha empresário?

Não, ligaram-me. Vieram ver o clube, vinham com algumas referências de um outro central do Gil Vicente, não me recordo quem era, mas quem estava a jogar era eu. Ainda por cima viveram ver um Gil Vicente- FCP, contra a equipa do José Mourinho que já estava há 18 meses sem perder, e nós ganhamos por 2-0. Por acaso eu marquei o 1.º golo. O jogo correu-me bem, eles gostaram, viram mais dois treinos meus e entraram em contacto.

Gaspar jogou uma época em França, pelo AC Ajaccio © Eddy LEMAISTRE Gaspar jogou uma época em França, pelo AC Ajaccio

Quando foi contactado para ir para a Córsega qual foi a sua reação?

Fiquei entusiasmadíssimo. Era a minha independência financeira e, por outro lado, se desconfiava que a Córsega era o sítio mais bonito do mundo. Depois de viver lá, ainda fiquei com mais certeza disso.

E a adaptação à língua?

Ao princípio foi difícil, porque numa frase falava uma palavra em francês e o resto em inglês, mas passado um mês já era ao contrário, queria falar inglês e já não conseguia. Falo bem português, falo bem espanhol, e dou uns bons chutos no francês e no inglês. Sem problemas nenhuns.

A sua mulher e filhos foram consigo?

Não. E isso foi um dos problemas porque o clube pagou 250 ou 300 mil euros por mim. Fui para França para conhecer aquilo, instalar-me, montar o quartel, para depois a minha mulher e os meus filhos irem ter comigo e ela acabou por decidir que não ia. A partir daí as coisas tornaram-se mais difíceis para mim. Quatro ou cinco meses sem ver os meus filhos, que tinham 2 anos, perder parte da vida deles...Decidi prejudicar a minha carreira e perder a minha independência financeira, independência também da família porque era muito dinheiro.

Tinha assinado por quanto tempo?

Três anos com a possibilidade de renovação sujeita ao número de jogos, requisito que tinha sido feito logo no 1.º ano, por isso já estava praticamente com mais um ano de renovação com aumento de ordenado.

A sua mulher não quis ir porquê, não quero ausentar-se do país?

Não queria prejudicar a carreira.

Fazia o quê?

Trabalhava no marketing da empresa Delveste que tinha a marca Gant. Resolvi pagar bom dinheiro do meu bolso para ser libertado de França e voltar a Portugal. Consegui, para tentar remediar o mal feito, ficar no Belenenses. Estava em Portugal pelo menos, ia de 15 em 15 dias a casa para poder estar com os meus filhos. Mas tenho a certeza absoluta que prejudiquei a minha carreira. Deveria ter ficado lá. Mas os meus filhos primeiro. Puxando atrás, se não fosse esse pequeno grande pormenor, arrependia-me bastante. Só que se ficasse mais 2 ou 3 anos em França o mais certo é que o próprio casamento ficasse estragado. Não foi nessa altura, foi depois (risos). Já estamos separados há seis ou sete anos.

Como foi a adaptação a Lisboa?

O Belenenses é um clube grande, não tenho dúvidas, todas as pessoas, a infraestrutura, e quando assim é as coisas tornam-se mais fáceis.

O que salienta da 1ª época?

Não vou dizer que a adaptação na equipa foi fácil porque a concorrência já era muita. O Carlos Carvalhal já tinha umas ideias de jogo assim (risos), não digo esquisitas, mas pelo menos para mim, que me metiam um bocadinho de confusão. Mas foi só no princípio, depois com o passar do tempo fui conseguindo adaptar-me à nova realidade. Mais tarde as coisas ficaram bem piores com a vinda do José Couceiro. Algumas ideias esquisitas com fundos de investimento à mistura vieram estragar aquilo tudo. Prova disso é que a seguir vem o Jorge Jesus praticamente com os mesmos jogadores, fez o campeonato que fez, mais tarde até conseguiu ir à Europa.

Gaspar (à direita) a jogar pelo Belenenses, com Liedson, do Sporting © CityFiles Gaspar (à direita) a jogar pelo Belenenses, com Liedson, do Sporting

Gostou do Jorge Jesus?

Melhor treinador que tive a todos os níveis. Tenho a certeza absoluta que se encontrasse o J.J. com os meus 20 anos era outra história. O Gaspar poderia ter sido um jogador muito mais completo.

O que ele tem de tão especial?

Sabe de futebol. O grande problema de 90% dos treinadores é não saberem nada de futebol. Ele sabe de futebol. Lá por eu gostar de cinema, não quer dizer que seja cineasta. É o que acontece com o futebol.

Aprendeu muito?

Muito, muito. Ele era rigoroso e ia ao pequeno pormenor. Chegava ao ponto de resmungar comigo, mas resmungar mesmo, dar uma dura, por causa do posicionamento. Perguntava-me se eu estava bem posicionado, eu ficava aflito, uma repreensão do chefe, e ele tornava a repetir duas, três e quatro vezes. Posso dizer que praticamente não me mexia do sítio e da posição em que estava no campo e de repente ele dizia: "Agora é que estás bem". A minha vontade era agarrar-lhe o pescoço (risos), aquele gajo a implicar comigo por causa de dois dedos, pá. Mas lá está, esse dois dedos poderiam fazer ou não a diferença. Olhamos para o trabalho dele e pensamos realmente aqueles dois dedos é que vão fazer a diferença de golo ou não, ou de um bom corte ou de um corte insuficiente. Esses dois dedos que para muitos são só dois dedos, para ele é uma diferença muito grande.

Porque não continuou no Belenenses?

O Rio Ave surgiu do nada. Depois do Belenenses tenho as coisas mais ou menos todas apalavradas para ir para o Leixões, na I divisão; no meio é que se cruzou o Rio Ave. Fiz uma curva mais larga e passei pelo Rio Ave (risos). Mas antes de avançarmos, tenho uma história para contar.

Vamos lá.

Eu tinha um empresário que tratava das minhas coisas, não tínhamos nada assinado, era amigo, o Artur Fernandes. Ele foi ter comigo a Belém para tratar da situação para vir para cima e eu digo-lhe que era só passar por minha casa que tinha as coisas todas preparadas, uns sacos, umas malas, era só carregar a carrinha e seguir. Ele concordou. Fomos a minha casa e evidentemente que não eram só dois saquinhos, eram algumas coisas mais, inclusive um colchão. O empresário, de fato e gravata, acabou sem casaco e de mangas arregaçadas, completamente suado, por andar para cima e para baixo a ajudar a carregar (risos).

Gaspar (à direita) jogou cinco épocas no Rio Ave © MIGUEL RIOPA Gaspar (à direita) jogou cinco épocas no Rio Ave

Mas não fica no Belenense porquê?

O Jorge Jesus falou comigo e disse que queria um jogador com as minhas características, mas jovem. Foi correto comigo, nada a dizer. Havia a possibilidade de renovação automática com o Belenenses, mas bastou ser sincero comigo. Mais tarde, veio a arrepender-se (risos). Mas nem fiz finca-pé, só queria saber dos meus direitos porque já tinha filhos e tinha de olhar por eles. Comecei a tratar da minha vida e fui para cima. Apareceu o Rio Ave, na II divisão, mas com um projeto muito ambicioso: a subida de divisão. Eu já tinha tido essa experiência no Leça, por isso sabia que era extremamente difícil, sabendo eu que o Rio Ave estava muito ferido porque no ano anterior esteve com um pé na I divisão e à ultima da hora acabou por não conseguir. Mas davam-me três anos de contrato e era o que eu precisava na altura: estabilidade. Vinha para minha casa outra vez, depois de três anos fora. E optei por ir para o Rio Ave.

Não se arrependeu.

Antes pelo contrário. Em boa hora o fiz porque as coisas correram lindamente. Fiz 150 jogos pelo Rio Ave, em cinco épocas. No 1.º ano subimos logo de divisão e estive quatro anos na I, conseguimos fazer historia também porque o Rio Ave nunca tinha estado cinco anos seguidos na I divisão.

Quais as memórias mais fortes desses cinco anos?

No Rio Ave há uma situação com o Carlos Brito muito engraçada, em pleno jogo com o V. Guimarães , em que o defesa direito, o José Gomes tem a bola, foi pelo lado de fora, flectiu para dentro, continuou com a bola e nessa altura salta do banco o Carlos Brito aos berros, só que o José Gomes consegue fazer um passe excelente e ao mesmo tempo que está a discutir e aos berros "mas o que é isto", o Carlos Brito, quando vê o passe, e tem esta frase: "Está bem, também está bem", já num outro tom. Desata tudo a rir. Também fazíamos as nossas partidas. Um dia, no final de um treino, o Bruno Mendes teve de ir buscar a roupa dele, em cuecas, ao campo porque amarrei a roupa dele às redes das balizas. São coisas que acontecem (risos).

Qual foi a maior partida que pregou?

Eu era mais de fazer trocadilhos e contar historias. A minha historia do Suker, às vezes dava grandes secas com essa história.

Resuma.

Era uma historia sem H, mas com factos reais. Foi no jogo do FCP com o Real Madrid para a Liga dos Campeões. Tinha uns exageros pelo meio, eu prolongava história com pormenores, com isto e aquilo, tipo “Os Maias” (risos). A história resume-se assim: eu estou para jogar esse jogo a titular, não sou titular, vou para o banco, estou para me sentar no banco e há logo um golo do Real Madrid, golo do Suker. Logo a seguir, golo outra vez do Real Madrid - nota, não foi o Suker, mas eu digo que foi o Suker, evidentemente. E quando há o 2.º golo, o treinador chama-me para entrar em campo. Troca por troca. E diz-me que o Suker não pode tocar na chicha. Eu não quero saber de mais ninguém, não é? Lá vou eu no Santiago de Bernabéu marcar o Suker. O jogo corre-me muito bem, sou considerado o melhor jogador do FCP nesse jogo, com boas notas em vários jornais, mas claro, eu acrescento algumas peripécias à história. Quando chega a flash interview está o Roberto Carlos para dar entrevista, há um ou outro jornalista que vem ter comigo. E, claro, que eu pego nesse pormenor, alimento-o e digo logo que todos os jornalistas não quiseram saber do Roberto Carlos, mas só do Gaspar, e que o Roberto Carlos começou logo a perguntar: “mas quem é, quem é?” (risos). E termino a história a perguntar: “No dia seguinte quem é considerado o melhor em campo?”. Claro que toda a gente diz: "Gaspar". E eu: “Claro que não, foi o Suker, ele marcou 3 golos, pá” (risos).

Gaspar (à esquerda), enquanto jogador do Rio Ave, durante um jogo com o FC Porto © MIGUEL RIOPA Gaspar (à esquerda), enquanto jogador do Rio Ave, durante um jogo com o FC Porto

Mas no Belenenses também deve ter havido muitas historias, muitas partidas, com o Cândido Costa...

(risos)...Essas nem podem ser transcritas, porque não lembram ao diabo. Ele era o meu maninho, a gente abusava e o outro abusava ainda mais e por aí fora.

Não pode contar nenhuma das histórias?

A maior parte das nossas brincadeiras eram um contra o outro. Acho que ele já contou na televisão uma delas. Há um dia que vou para treinar e cheirava mal, começo a dizer que me cheira mal, cheira-me a cocó, cheira mal, cheira mal e...O que foi? O filho da mãe do Cândido foi à casa de banho pegou na minha camisola e limpou-se a ela. Era por isso que me cheirava mal.

Não se vingou?

Sim. Ele acabou por lavar a cabeça com um champô que não era bem champô.

Era o quê?

Aquilo tinha uma mistura de detergente para a loiça com... Vá, vamos falar, de urina. Tive que pôr um bocadinho de detergente porque estava cheiro muito forte e ele ia logo saber o que era (risos). Para além dos chamados “cigarros minados”, mas isso é outra coisa. Nem vou contar (risos). Fazia parte.

Depois como é que vai para o Sp da Covilhã.

Acaba o meu contrato no Rio Ave, eu tinha quase 38 anos, mas sentia que ainda estava em forma, ainda tinha pernas. Surgiu o convite do presidente do Sporting Covilhã. Foi só uma questão de acertarmos os números. Dois anos de contrato e toca a fazer as malas para ir para a serra. Não estou nada arrependido, adorei. Aí, a nível de partidas, não fiz grande coisa, porque já tinha uma certa idade, portanto tinha que me dar ao respeito (risos). Ainda por cima puseram-me a capitão. Mas tenho uma historia engraçada do presidente que um dia entra pelo balneário adentro no intervalo de um jogo, aos berros, com a veia do pescoço a sair e a dizer que nos dava um tiro a todos, porque estávamos empatados (risos). Para mim foi engraçado, porque eu já pensava que tinha visto tudo. Olhe lembrei-me de outra.

Força.

Em França, estamos num treino e de um momento para o outro paramos de treinar, nem estava a perceber porquê. Depois é que percebi: o nosso treinador tinha abusado um bocadinho no almoço e estava estendido no banco de suplentes, em muito maus lençóis (risos). Deixou de orientar o treino porque já não dizia coisa com coisa.

Os gémeos de Gaspar estão com 17anos © D.R. Os gémeos de Gaspar estão com 17anos

Depois do Sporting da Covilhã ainda vai ao Varzim.

Faço um ano no Sporting da Covilhã, tenho mais um ano de contrato, mas decidi acabar a minha carreira, porque coincidiu com o meu divórcio. Só que sou desafiado pelo Pimenta, atual fisioterapeuta do Lages, a ajudar o Varzim e assim foi. Optei por ir para o Varzim por amizade, para ajudar o clube. Nem discuti preço, contrato, nada. Chegava ao final do mês e era ajudas de custo para a gasolina praticamente.

Acaba essa época já perto dos 39 anos.

Sim, já a dar as ultimas.

E vai para Espanha.

Vou viver para Espanha porque tinha a minha namorada lá, a Laura, que é espanhola. Ainda continuamos amigos. Já a conhecia há algum tempo. Estivemos ano e meio a testes, por assim dizer, e optámos por fazer assim: eu iria para Espanha, para ver como eu me adaptava. Como costumo dizer El Repilado é a minha aldeia, na serra de Huelva. Ainda hoje vou lá de mês a mês. Tentei arranjar emprego em algum lado, porque do futebol na altura não queria saber, eu não sabia o que era um feriado, um fim de semana, nem sabia que era uma ponte. Mas era complicado arranjar emprego lá. Só que, entretanto, para me integrar na comunidade, na aldeia, e fazer amigos, optei por ir treinar ao clube da terra, que correspondia aqui à distrital.

E?

Fiz um treino e o treinador, meio tímido, lá disse que precisavam de ajuda e se eu os podia ajudar. Na primeira volta só tinham quatro pontos. E: “Ok, posso, não tenho problemas nenhuns. Vim para aqui para me divertir e travar amizades, não quero dinheiro, não vou ter gastos”. E assim fiz. Acabei por jogar e fizemos 24 ou 26 pontos na segunda volta. Entretanto decidi que já estava na hora de largar o futebol de vez. Senti necessidade de pôr um ponto final e voltar ao futebol só para jogar quando me apetecesse.

Deixou a escola em que ano?

Eu tinha o 12.º ano incompleto. Tinha o meu curso de informática incompleto. Tinha 20 módulos por fazer. Deixei quando fui para Setúbal.

Nessa altura já sabia o que queria fazer no futuro?

Não. Resolvi vir para cima, afastar-me da Laura, e dar um pouco de rumo à minha vida, ver como é que me adaptava à vida sem futebol. E surgiu a oportunidade da metalomecânica de precisão CNC. Tinha tudo a ver, porque tinha a ver com informática, de que já tinha algumas noções, e foi amor à primeira vista. Foi através do um tio que consegui. Neste momento estou a acabar o nivel IV da formação de operador desenhador e programador. Mas o bichinho do futebol já está a mexer outra vez.

O que isso quer dizer?

Como tenho o 2.º nivel do curso de treinador posso ser treinador adjunto da I divisão e estou a pensar nisso. Estou à espera que, como aconteceu no passado, me deem um oportunidade ou meia oportunidade. Nunca defraudei as pessoas. Neste momento vou tentar procurar essa oportunidade. Já tive uma experiência pequena no Rio Ave, nas camadas jovens, enquanto era jogador treinava os miúdos e percebi que é a minha área. Agora gostava de experimentar os juniores ou até mesmo seniores. Nem que seja distritais, queria saber se gosto ou não gosto porque é um desafio maior.

Os seus filhos estão a viver com a mãe?

Cinquenta-cinquenta. Eles estão com 17 anos, estudam e jogam futebol no Bougadense.

Revê-se em algum deles?

Nos dois. Um é avançado, o outro é defesa. Um tem mais qualidade que o pai a nível de pés, mas falta-lhe o nervo do pai. O outro tem o nervo do pai, mas tem uns pés que apesar de terem mais qualidade que os do pai, não têm tanta como os do irmão.

Gaspar trabalha hoje na área da metalomecânica de precisão © D.R. Gaspar trabalha hoje na área da metalomecânica de precisão

O facto de ter 1,90m só por si metia respeito aos seus adversários...

...Eu não sei como é que as pessoas me viam. Sei que as pessoas antes de falarem comigo podem ter um pé atrás porque tenho cara de mau, mas sou uma joinha (risos). Não era um jogador maldoso. Não jogava para tentar magoar o adversário. Quando ia à bola, ia à bola e quando saltava para cabecear não ia com o cotovelo para aleijar o adversário. Aceito que digam que era maldoso em determinadas situações, como resposta. Cheguei a levar um ou outro cartão vermelho porque o adversário foi muito mau, deu-me porrada sem bola. Eu não fazia isso, deram-me, eu esperava que a bola chegasse e depois era bola era raizes, era pernas, era tornozelos, era tudo. Mas esperava pela bola. Era mais como resposta. Era duro, era, mas não maldoso.

Quando era miúdo quem eram os seus ídolos?

O meu ídolo era Enzo Francescoli.

Qual foi a maior extravagancia que fez.

Ter ficado no Hotel Sheraton nos Champs Elysees, em Paris. As pessoas pensam que os jogadores ganham todos como o Cristiano Ronaldo ou que têm ordenados de 50 mil euros, mas não é assim. Tirando os três grandes e um ou outro clube, a realidade do futebol português da I divisão em termos de vencimento é uma média de 2000/2500 euros limpos. Ou seja, não dá para viver dos rendimentos, tenho que trabalhar. O que fiz foi acautelar o meu futuro e dos meus filhos da forma possível. Comprei um apartamento na Trofa não a pensar no negócio mas nos meus filhos. E tenho a quinta porque adoro o campo. Nunca comprei a pensar em alugar ou vender mais tarde. E enquanto fui jogador, fui só jogador, concentrei-me no futebol, nunca me meti em negócios.

Tem tatuagens?

Nunca caí na tentação. Mas tenho um brinco, desde 2007. Sempre quis, desde miúdo, só que o meu pai não me deixava.

Tem algum hóbi, algo que goste muito de fazer além do futebol?

Tenho vários. Uma das coisas que gosto muito é estar lá fora no campo, no meu terreno, onde há sempre coisas para fazer. Posso fazer um muro, fazer cimento, tratar do jardim, passar uma árvore de um lado para o outro, cortar a relva, sei lá, o que houver. E também gosto de jogar Playstation 3, mas só jogo FIFA. No computador há um joguito ou outro de estratégia que gosto de jogar de vem em quando.

A sua maior frustração foi não ter chegado à seleção A?

Não. Frustração, frustração não tenho nenhuma.

Se não fosse jogador de futebol seria quê?

Era um adepto doente, pelo futebol. Por um clube, fosse ele qual fosse. Gosto de ver futebol. Mas não gosto muito de ver na televisão, gosto mais ao vivo.

Para terminar não tem mais histórias para contar?

Há uma historia que se passou num clube, em que, na altura, o que estava em voga era o Ajax, da Holanda. Toda a gente falava do Ajax, do Rijkaard, e por aí fora. E o treinador resolveu de manhã dar uma palestra com essa equipa do Ajax. Como jogavam, como não jogavam, como trocavam a bola. Esteve mais de uma hora naquilo, com os elementos no quadro, a mostrar a equipa, como se deslocavam, etc. Posso dizer que passei pelo sono. No final pressinto que ele vai começar a fazer perguntas e fico aflito porque tinha passado pelo sono e não estive muito atento. Mas ele faz a primeira pergunta a um elemento que está logo à frente e esse jogador responde-lhe: “Oh mister, eu acho que falta aí um jogador”. Ele conta os elementos que estavam no quadro e realmente ele tinha-se esquecido de um jogador. Ou seja falou durante 1 hora e tal sobre a equipa do Ajax com 10 jogadores no quadro (risos). Conclusão, lá inventou um nome qualquer: “falta aqui o não sei quantos no meio campo”. E “vamos embora, vamos treinar” (risos). Nós tivemos todos de conter o riso. Tenho outra.

Conte.

Há um jogador que sai no mercado de inverno e vem para o clube onde eu estou. Quando chega, há uma entrevista sobre a perspetivas de chegada e tal, só que ele ‘rasga’ completamente o treinador da equipa de onde ele vinha. Mas ‘rasgou’ o treinador de cima a baixo, disse mal dele de princípio ao fim. Foi uma coisa que até eu no dia seguinte quando li a entrevista me senti incomodado. Não é que esse treinador foi despedido do clube onde ele estava e passado uma semana vem para o clube onde eu estou? Uma semana depois de ele dar aquela entrevista apanha o mesmo treinador (risos). Por acaso lá resolveram as coisas. Lembrei-me de outra.

Ok. Para fechar.

Houve um jogador que através da Internet conheceu uma rapariga e depois de várias conversas e de trocas de mensagens e até de falar ao telefone, marca um encontro e quando chega ao café repara que está toda a equipa no café (risos). Achou estranho e claro acabou por sair de fininho e cancelou o encontro. No dia seguinte quando foi treinar o balneário estava completamente cheio de papeis com as trocas de mensagens que ele tinha tido com a tal rapariga. Claro que não era nenhuma rapariga, era um elemento da equipa que se fez passar por mulher e que pediu inclusivamente a uma irmã ou prima para falar com ele ao telefone para marcar o encontro (risos).

AdChoices
AdChoices

Mais de Tribuna

image beaconimage beaconimage beacon