Está a utilizar uma versão de browser mais antiga. Utilize uma versão suportada para obter a melhor experiência possível com o MSN.

Rússia contesta acusação de envolvimento na queda do MH17

A Rússia critica as declarações da comissão de inquérito à queda do avião da Malaysia Airlines há quase cinco anos. Esta quinta-feira, o procurador holandês que dirige a equipa de peritos , divulgou a acusação e indiciou 3 russos e um ucraniano. O Ministério russo dos Negócios Estrangeiros lamenta as alegações de envolvimento do Estado Russo no acidente. Diz que são acusações "absolutamente infundadas", sem provas. Do lado da Ucrânia, dedo apontado à Rússia e o convite para que Moscovo assuma a responsabilidade de ter fornecido armas aos 4 homens agora acusados . Entre eles está Igor Girkin, um dos principais líderes separatistas da região ucraniana de Donetsk. Numa breve declaração, Girkin diz que "os rebeldes não derrubaram o Boeing". A acusação demorou quase cinco anos a instruir. Roman Dobrokhotov, diretor do site de notícias The Insider , diz que existem mais nomes, mas faltam provas cabais para os denunciar publicamente. Para Dobrokhotov, a comissão "divulga apenas aqueles de quem têm documentos que provam que são culpados. Os padrões são diferentes para os investigadores ou para os jornalistas. No Tribunal, tens de ter uma prova a 100%. Penso que foi por isso que demoraram tanto tempo para nos dar apenas 4 nomes. MAs tenho a certeza de que todos os que mencionámos na nossa investigação - e há muita gente que trabalha diretamente para o Ministério da Defesa - Todos os nomes vão aparecer noutras conferências de imprensa mais tarde."
image beaconimage beaconimage beacon