Está a utilizar uma versão de browser mais antiga. Utilize uma versão suportada para obter a melhor experiência possível com o MSN.

Boris Johnson é eleito e promete o "brexit" na Noite das Bruxas

O antigo ministro dos Negócios Estrangeiros, Boris Johnson , ganhou a corrida à liderança do Partido Conservador . O título vale também a sucessão de Theresa May , esta quarta-feira, como primeiro-ministro do Reino Unido e novo líder do processo do " brexit " previsto para 31 de outubro. Derrotou o ainda ministro dos Negócios Estrangeiros, Jeremy Hunt, com 66% dos quase 150 mil votos expressos. Pela primeira vez, os conservadores elegeram também, mas de forma indireta, o novo primeiro-ministro, o que acaba por ser decidido, curiosamente, por apenas 0,2% da população britânica. As derradeiras horas de Theresa May Derrotada após três rejeições parlamentares do acordo celebrado com Bruxelas para o "brexit", Theresa May anunciou a demissão em lágrimas a 24 de maio, cumpriu a derradeira reunião do executivo esta terça-feira. A líder demissionária dos tem um último ato enquanto primeira-ministra na manhã de quarta-feira, numa das habituais sessões de perguntas e respostas do chefe do Governo britânico perante o Parlamento. Segue-se à tarde a entrega da demissão à Rainha. Após a renúncia de May e pouco mais de 24 horas após o anúncio da eleição como novo líder dos Conservadores, Boris Johnson será recebido no Palácio de Buckingham pela Rainha Isabel II para ser instituído como primeiro-ministro e convidado a formar Governo. O Partido Trabalhador, de Jeremy Corbyn, não demorou a reagir. Num post em que convidam à "partilha da verdade" sobre o futuro primeiro-ministro, afirmam: "não pode confiar em Boris Johnson." "Brexit": A longa novela da política britânica A principal tarefa do novo chefe de Governo será conduzir o processo de saída da União Europeia (UE): o "brexit" foi fixado por mútuo acordo com Bruxelas para ocorrer em 31 de outubro. Boris Johnson abalou o Parlamento com a exigência de cumprir o prazo do "brexit", com ou sem acordo, tentando pressionar Bruxelas a aceitar a renegociação dos termos da saída britânica da UE. Antigo apoiante do "remain" (termo para os que defendiam a permanência na UE), Jeremy Hunt admitia pedir mais tempo para também ele negociar um novo acordo de saída com melhores possibilidades de ser aceite pelo Parlamento britânico do que o acordado por Theresa May; A UE já fez saber que o acordo já alcançado é o único possível para uma saída "a bem" do Reino Unido. O Partido Conservador apenas se tem mantido no poder porque tem o apoio dos 10 deputados eurocéticos do Partido Unionista Democrático, da Irlanda do Norte. Entre os Conservadores há opositores ao "brexit" e outros contra uma saída sem acordo da UE, e isso revela-se um forte obstáculo ao sucesso da saída prometida por Boris Johnson - há até quem ameace fazer cair o governo para evitar um "no deal"; Dois sub-secretários de estado já anunciaram a saída do Governo perante a estratégia anunciada por Boris Johnson. O secretário de Estado dos Negócios Estrangeiros, Alan Duncan, demitiu-se na segunda-feira e disse ter proposto, sem sucesso, à Câmara dos Comuns uma avaliação à capacidade do novo líder conservador para formar Governo. O ministro da Justiça Davis Gauke, o ministro das Finanças ("chancellor") Philip Hammond e o secretário para Desenvolvimento Internacional Rory Stewart ameaçam bater com a porta caso "BoJo", como também é conhecido Johnson, fosse mesmo o eleito para liderar o partido. Garantida a vitória na corrida à liderança do Partido Conservador, o futuro político a breve prazo não se afigura fácil para o futuro primeiro-ministro do Reino Unido, cujas prioridades de governo estão apresentadas: cumoprir o "brexit", unir o país e derrotar Jeremy Corbyn, o líder da principal força de oposição, o Partido Trabalhista.
image beaconimage beaconimage beacon